quinta-feira, fevereiro 24

FIM

Sou mais um que se vai. De mim não tenham pena. Não consegui fidelizar visitantes. Assumo o fracasso completo. Vai-me sobrar mais tempo para as artes e para outras actividades que tenho descurado. É a vida.
Continuarei, contudo, a visitar-vos sempre que puder. Se acharem que vale a pena, tomem nota do meu e-mail num canto qualquer que eu continuo acessível.
Até um dia destes.
Emílio de Sousa.

terça-feira, fevereiro 22

Eleições...

Santana teve o que merecia.
Sócrates teve o que não merecia.
O Anacleto teve idióticamente mais do que merecia.
Jerónimo teve menos do que merecia.
Portas teve muito menos do que merecia.
Este país vai ter o que merece!
Uma vaga de incontrolada e maioritária merda cinzenta ...
Fechem a boca, tapem o nariz e preparem o snorkel e as barbatanas.

segunda-feira, fevereiro 14

S. Valentim

Nunca liguei pevide a esta data. Pelos vistos as meninas de agora fazem muita questão em que nos lembremos delas neste dia.
Então, assim sendo, aqui vai uma lembrança para todas as que gostam de mim, em primeiro lugar, e para todas de quem eu gosto, em segundo lugar, se sobrarem algumas!


quinta-feira, fevereiro 10

Adivinha...

Sou mesmo mauzinho!

Adivinhem qual o sexo do computador sabendo-se que:

1) Assim que se arranja um, aparece outro melhor na esquina.
2) Ninguém, além do criador, é capaz de entender a sua lógica interna
3) Mesmo os menores errosinhos que você comete são guardados na memória para futura referência.
4) A linguagem nativa usada na comunicação entre computadores é incompreensível para qualquer outra espécie.
5) A mensagem "bad command or file name" é tão informativa quanto, digamos, "se você não sabe porque estou com raiva, não sou eu quem vai explicar!!!!!"
6) Assim que você opta por um computador, qualquer que seja, logo você estará gastando tudo o que ganha com acessórios para ele.
7) O computador processa informações com muita rapidez, mas não pensa.
8) O computador do seu amigo, vizinho, ou do seu escritório sempre é melhor do que o que você tem em casa.
9) O computador não faz absolutamente nada sozinho, a não ser que você dê o comando.
10) O computador sempre trava na melhor hora.

Adivinharam? Hehehehe...


segunda-feira, fevereiro 7

Já agora... E porque não?

Sem comentários, publicado no Senhora do Monte em 4 de Fevereiro passado e assinado por Mário Antunes Varela

3-5-1 vs. 4-4-2 ou 4-3-3...

Por estes dias, tristes diga-se, temos assistido ao debate exaustivo das questões que, no entender de quem manda e de quem pode, são importantes para o progresso do país.
Debatem-se os problemas e, menos, as soluções.
Mais os problemas e menos as soluções, mais o acessório, menos o essencial, mas isto são opiniões...
Fala-se de homossexualidade, de direitos dos homossexuais, de casamentos homossexuais, de adopção por casais homossexuais. Fala-se da homossexualidade como vício, como simples opção, como pecado, como doença.
Fala-se de tudo e muito.
Sempre entendi que as opções sexuais de cada um a ele e só a ele respeitam. É mesmo uma daquelas convicções profundas a que nos dias de hoje se chama questão de princípio.
Entendo, como diz e bem a Ana Anes, que cada um pode deitar-se com quem queira, quando e onde queira, desde que tal facto constitua uma opção consciente e que dela não resultem prejuízos para terceiros.
Entendo, pois, que cada qual pode deitar-se, e fazer o que bem entenda, com homens, mulheres, animais domésticos ou objectos. Que cada qual pode ser gay, lésbica, bi, sadomasoquista, voyeur e sei lá bem o que mais. Que cada cidadão maior, responsável, titular de direitos e deveres, deverá poder assumir a opção sexual que bem entenda e que, por mais aberrante que seja aos olhos de todos os outros, não deixa por isso de ser válida, legítima e respeitável.

Ora, se é, para mim, muito claro que assim deva ser, é igualmente incompreensível que quem opta, pessoal, individual, autonomamente, do ponto de vista da sua sexualidade, queira depois a tutela do direito a invadir essa mesma opção.
Que cada um faça sexo com quem queira parece-me lindamente. Já que se queira regrar, do ponto de vista de direitos e deveres, essas mesmas opções individuais parece-me uma aberração.
Se formos por aqui, estaremos a abrir a verdadeira caixa de Pandora.

É que se o homem que tem uma relação com outro homem, ou a mulher com outra mulher, pretender que tal facto, de per si, constitua garante de que o Estado e, por consequência, todos nós metamos o nariz na sua vida e nas suas opções sexuais.
Se as relações sexuais e/ou sentimentais que, não sendo heterossexuais - logo, não geradoras de vida - pretenderem, pelo simples facto de serem uma relação entre seres humanos, constituir sede de direitos no que concerne, por exemplo, à adopção, como se justificará que apenas os casais constituídos por duas pessoas possam ser titulares de direitos?
Leram bem, leram!
Pergunto novamente:
Se dois homens que mantêm uma relação sexual, afectiva, sentimental, amorosa, podem por tal facto, e só por tal facto, herdar, adoptar, arrendar, transmitir bens em regimes exclusivos das famílias, dispensando-me aqui de resenhar historicamente os porquês de tal situação, qual a razão para que três homens e duas mulheres não possam ser tratados de igual modo?
Qual é, em bom rigor, a diferença?

Se eu, homem, mantiver uma relação com duas mulheres; se amar estas duas mulheres, mantendo estas uma relação entre elas ou não; se vivermos em comunhão de mesa e leito, se tivermos uma economia familiar comum, se gerirmos ordenados e poupanças, qual é o argumento do futuro legislador para indeferir o legítimo pedido de que sejamos tratados tal qual o casal constituído por dois homens ou por duas mulheres?
E, bem assim, se um casal formado por dois homens, que argumentando com o seu amor e estabilidade de relação, puder adoptar uma criança, por que estranha e inusitada razão não o há-de poder outrossim o casal formado por três mulheres que argumentem de igual modo?

Três mulheres não são um núcleo de uma família?
Duas também não o são!
Cinco homens não podem adoptar?
Se se amarem, se a sua relação for estável, se puderem dar a uma criança carente e necessitada carinho e amor...

Bom, se cinco choca em demasia, baixa-se a coisa para três...
Três também não podem?
É então uma questão de número e não de género ou de sexo?
Três mulheres é aberrante... já duas é um direito à diferença.

Direito à diferença é com a maior das certezas, mas, se passarmos do reconhecimento a esse direito à diferença para a concessão de direitos legais a essa diferença, não nos poderemos deter na questão do número de pessoas que constituem o "casal".

Poderão os leitores achar aberrante o que escrevo, mas, fazendo o favor de pensarem sem preconceitos, concluirão que se não somos ninguém para julgar um homem que diz amar outro, não o somos de igual modo para julgar três mulheres que se amem entre si.

E, agora que a escrita se alonga, entretenham-se a fazer combinações várias...
Todas possíveis, todas legítimas e talvez algumas bem interessantes...

O que poderá não ser assim tão interessante são as consequências das adesões hipócritas às teses chanfradas das esquerdas mais extremas que, pelo que se vê, vão conquistando apoios por esses partidos afora.


quinta-feira, fevereiro 3

Ignorância...

Sabiam que:

- A comemoração dos 60 anos da libertação dos prisioneiros de Auschwitz – a primeira que a ONU consagra às vítimas do Holocausto desde sua fundação – foi realizada com o plenário metade vazio?

- O Tratado da Lei do Mar, que voltou à pauta e pode ser assinado ainda este ano, concede à ONU o controle directo e total de 70 por cento da superfície terrestre e de todos os recursos naturais aí existentes?

- Graças a um acordo firmado em 11 de dezembro passado, juizes e policia cubana poderão actuar em território da Venezuela com amplos poderes para investigar, capturar e interrogar cubanos ou venezuelanos que sejam procurados pela ditadura de Fidel Castro?

- Os 11 países da América Latina que compõem a Comissão de Direitos Humanos da ONU, designaram Cuba, no encontro ocorrido em Genebra, para integrar o “Grupo de Situações” das Nações Unidas?

Eu não sabia! Tudo boa gente...

quarta-feira, fevereiro 2

Por um Homem...

O Papa está doente. Para os católicos que me lêem solicito uma oração. Para os não católicos e não crentes de boa vontade, um pensamento positivo para o Sr. Voytila, um homem Bom e Corajoso.